Mensagem

A Antiga Serpente

“Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o prendeu por mil anos;” (Ap. 20: 2).

        As Escrituras Sagradas mostram que o primeiro pecado e os sofrimentos que dele decorreram, tiveram origem na astúcia da serpente, e não havia nela outro espírito, a não ser o seu próprio, com o qual Deus a criou. Observe nas palavras do Apóstolo Paulo. Eis o texto:

      Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo.” (2 Co. 11: 3).
       Paulo não diz que o diabo enganou Eva, mas que a serpente a enganou. O temor que o Apóstolo tinha naquela época, está se cumprindo hoje sobre inúmeros cristãos. Eles têm sido ensinados que satanás manifestou na serpente para que ela enganasse Eva e Adão. Nada mais falso! Está escrito que ela era o animal mais astuto que Deus havia criado (Gn. 3: 1).  Por isso, ao mentir ela exerceu um dom natural que havia recebido do Criador.
       Vemos assim que a capacidade de saber enganar foi o meio utilizado com sucesso para levar o ser humano a desobedecer a Deus, e contrair a natureza do pecado, que permanece até hoje, e vai levar muitas almas ao fim de sua existência com a segunda morte (Ap 20: 14-15).   
       De acordo com as Escrituras, o primeiro homem foi colocado para viver em meio às grandes riquezas do jardim do Éden. A ele foi concedida  unção, ou seja, poder espiritual, para gerir sobre todos os bens da terra (Ez. 28: 13-14).  Aceitando, porém, a oferta da mulher, que por sua vez acreditou na mentira da serpente, o homem concordou em desobedecer ao Criador, e por isso perdeu o privilégio de dominar sobre a parte mais importante do reino que Deus o havia entregado, isto é, a parte espiritual da terra (Gn. 3: 23 e Ez. 28: 17). Herdamos, portanto, a cegueira espiritual contraída por Adão, e estamos vulnerável aos enganos do espírito satânico, descendente da serpente, se não vivemos segundo as Escrituras Sagradas, e se não formos guiados pelo Espírito Santo (Jo. 16: 13).  
       Vemos, portanto, que o pecado nasceu de um engano,   os séculos passaram, o conhecimento  evoluiu, mas ele continua inserido na natureza humana. Portanto, as pessoas que almejam ser salvas,  devem ter como princípio não aceitar qualquer tipo de acordo com a natureza do pecado, e combater todo e qualquer engano que venha de interpretações pessoais, fora do conteúdo da Palavra de Deus.
       O versículo que acima transcrevemos, relata a revelação de Jesus ao Apóstolo João, afirmando  que satanás é a antiga serpente. Os fatos  examinados a partir da origem, mostram que, diante da rebelião de Adão, e de seu desejo em conhecer o mal, Deus determinou que o descendente da serpente haveria de perseguir o filho da mulher, ou seja, todos os seres humanos. Portanto, não há dúvidas de que o texto aqui transcrito identifica o diabo como sendo o espírito herdeiro da serpente que enganou os primeiros seres humanos, e continua enganando ainda hoje, a todos aqueles que não têm a Palavra de Deus em seu coração, como uma espada afiada para  combater o inimigo (2 Co. 10: 4).   
       Entretanto, tristemente, o mundo cristão inteiro tem recebido uma versão totalmente diferente dos relatos bíblicos, na qual se declaram a origem do diabo como tendo sido um anjo de grande estatura que se rebelou contra Deus. Essa interpretação é um verdadeiro desrespeito aos princípios mais sagrados das Escrituras, que sorrateiramente invadiu o entendimento de inúmeros pregadores da Palavra em nossos dias. Nosso objetivo aqui é despertar a atenção daqueles que pregam, pois eles serão cobrados por aquilo que ensinam.
       Antes da vinda de Jesus muitas coisas do mundo espiritual eram mistérios, e só foram reveladas depois do calvário. Isso foi mostrado ao apóstolo João, quando, arrebatado em espírito, foi levado ao trono de Deus, para testemunhar a confirmação da vitória exclusiva de Jesus. Veja o texto:
      Vi, também, um anjo forte, que proclamava em grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de lhe desatar os selos? Ora, nem no céu, nem sobre a terra, nem debaixo da terra, ninguém podia abrir o livro, ... e eu chorava muito, porque ninguém foi achado digno de abrir o livro, .... Todavia, um dos anciãos me disse: Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá,...  venceu para abrir o livro e os seus sete selos.” (Ap. 5: 2 a 5).
       Tendo passado pelo mundo sem ser enganado por satanás uma só vez, Jesus conquistou o direito de abrir o livro das revelações, e revelar seu conteúdo, onde constam todos os planos que serão executados sobre a humanidade até o completo retorno do homem a Deus. A vitória de Jesus cumpriu a exigência imposta no princípio da criação quando o espírito do homem rebelou contra o Criador, pecando pela primeira vez, e perdendo o reino espiritual da terra para o descendente da serpente. Por isso, Deus determinou que para restaurar esse reino perdido, o filho da mulher, teria de ferir na cabeça o filho da serpente. Veja o que foi dito à serpente: Eis o texto:
      Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Gn. 3: 15).
       Jesus cumpriu essa exigência, restaurando para nós o direito ao reino espiritual da terra perdido por Adão. Essa é a razão pela qual muitos  mistérios do reino de Deus, até então escondidos (Dt. 29: 29), foram revelados. Entre essas revelações está a verdadeira origem de satanás. A falta de conhecimento de sua verdadeira origem levou os homens inventarem uma fábula de que ele teria sido um grande anjo diante de Deus, e teria se rebelado contra o Senhor. Na verdade, segundo o que podemos apurar dos textos bíblicos, o anjo que se rebelou contra Deus, foi Adão e não satanás, pois este simplesmente não existia quando houve a rebelião de Adão e Eva.
      Por isso, cremos que todos aqueles que interpretam a origem do diabo diferente do que está no livro do Apocalipse, estão em desacordo com as revelações dadas por Jesus. É bom lembrar que a postura daqueles a quem foi dada a missão de pregar o evangelho, é a de servo, e  esse deve cumprir as ordens de seu Senhor, ainda que não entenda detalhes delas. Veja o que Deus disse:
      O filho honrará o pai, e o servo, ao seu senhor; e, se eu sou Pai, onde está a minha honra? E, se eu sou Senhor, onde está o meu temor? ...” (Ml. 1: 6).  
       Assim, nos dias tuais, quem despreza as revelações do Apocalipse e inventa uma fábula sobre a origem do diabo, no mínimo, está desonrando a Deus e honrando o inimigo, mesmo por que estão atribuindo a ele uma origem nobre. Nunca devemos esquecer de que alguém que chega ao trono de Deus como anjo, jamais tem a possibilidade de se rebelar. Veja o texto:
      “... Não vos enganeis: nem impuros, ... nem roubadores herdarão o reino de Deus.”  (I Co. 6: 9-10). 
       A pergunta é simples: Será que no passado Deus falhou permitindo a entrada de  um ser impuro ou roubador que depois veio a se rebelar contra Ele? Se Jesus é o mesmo ontem, hoje e sempre, Deus também é.  Com certeza, no reino do inferno, o diabo deve ficar muito orgulhoso quando vê milhões de cristãos sendo ensinados que ele foi um grande anjo no passado.
       A fábula que mostra satanás como um ex-anjo do trono de Deus, provoca um profundo engano, que pode levar muitos lideres e pregadores do evangelho a perderem sua salvação, por não terem se empenhado na busca da verdade. O texto bíblico no qual se baseiam para formar essa história está, basicamente, em Ezequiel 28, cujo tema principal é a lamentação sobre o rei de Tiro.
       Esse texto é precioso. Ele amplia a descrição de Gênesis  2: 15, mostrando que, ao colocar o homem no jardim do Éden, Deus o proveu de grandes riquezas, deixando claro que Sua vontade é nos dar o melhor, e que somos importantes para Ele. Porém, quando consideramos esse texto como a origem do espírito satânico, valorizamos o diabo e desvalorizamos a importância que Deus atribuiu ao homem, e deixamos de observar a advertência de Jesus. Veja o texto: 
      Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis as vossas pérolas diante dos porcos, para que não suceda que as calquem aos pés e, voltando-se, vos despedacem.” (Mt. 7: 6)

       Que Deus possa falar melhor ao seu coração.